Páginas

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Deputado Nélio Aguiar é contra o Complexo Tapajós que vai beneficiar Itaituba e região

Em pronunciamento na ALEPA o Deputado Nélio Aguiar mostrou-se contra a construção do Complexo Tapajós que possivelmente sera construído na região de Itaituba e traria desenvolvimento ao município e região. O parlamentar, disse que a construção poderia causar danos à praia de Alter do Chão em Santarém.

Com um pronunciamento incisivo o deputado Nélio Aguiar (DEM) voltou a defender durante, na quarta-feira, 11, na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), que o Oeste do Pará precisa de energia elétrica firme e não de novas hidrelétricas, mas não disse de onde viria essa energia firme que citou em seu pronunciamento. Ele faz referência ao estudo de viabilidade para construção de um complexo hidrelétrico composto por cinco usinas, que devem ser construídas ao longo do rio Tapajós: São Luiz do Tapajós, Jatobá, Jamanxim, Cachoeira do Caí, Cachoeira dos Patos, além de outros dois aproveitamentos inventariados que já estão em construção, o Chocorão e Jardim do Ouro.
“O mais grave é que o IBAMA já informou que o estudo vai somente se deter na avaliação do impacto direto na fauna e na flora, não levando em consideração informações que dão conta que inclusive o rio Amazonas pode invadir o rio Tapajós, causando danos inclusive à praia de Alter do Chão”, alertou. O parlamentar disse, ainda, que os impactos sociais também não estão sendo avaliados pelo estudo. “O Governo Federal não quer saber se populações indígenas serão atingidas, se vai haver aumento do fluxo migratório para a região, aumento dos índices de violência, entre outros impactos sociais. Quer jogar toda a responsabilidade para o Governo do Estado, que mais uma vez será penalizado, a exemplo da Lei Kandir”, disse Nélio.
O Deputado lembrou, ainda, que mais uma vez o Governo Federal lança mãos dos recursos naturais da região, sem que isso traga benefício para a população local. “Como ocorre historicamente, novamente estão utilizando o potencial dos nossos rios, sem nenhuma perspectiva que a hidrelétrica irá gerar energia para o morador do Oeste, que sofre com os constantes apagões. Por isso estou solicitando a criação de uma Frente Parlamentar na Alepa para acompanhar todo o processo de construção das hidrelétricas”, disse.
Segundo o parlamentar, após a conclusão, o complexo do Tapajós terá uma potência instalada de 10.682 megawatts (MW), ficando somente atrás da binacional Itaipu, de propriedade brasileira e paraguaia, com 14.000 MW e da ainda em construção Usina de Belo Monte, que se estima gerará, em plena capacidade, 11.233 MW.

0 comentários:

Postar um comentário