Páginas

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Na base da simplicidade, Jayme de Almeida, vai arrumando o Flamengo.


O Flamengo que não ganhava dois jogos seguidos no Brasileirão, ganhou. O Flamengo que não vencia há 15 anos o Coritiba fora de casa, venceu. E o Flamengo que Mano Menezes deixou dizendo que não conseguia assimilar suas orientações, assimila tudo que Jayme pede. E ele garante: não pede muito.

- Não sei (por que mudou). Sinceramente, acho que fiz uma proposta e acredito no futebol. É uma coisa bem simples e é minha ideia. Consegui colocar jogadores que conseguem desenvolver bem. Gosto de times que joguem bom futebol e se proponham a fazer o que peço. Na simplicidade, estamos conseguindo fazer isso.

Da escola que deu ao Flamengo sua geração mais vencedora, Jayme é daqueles que gostam do futebol simples e eficiente de antigamente. Nunca escondeu que seu elenco tem limitações, mas procura extrair o que nele enxerga de melhor. As mudanças desde que assumiu a equipe foram poucas: Amaral, que sequer jogou com Mano, virou um volante intocável, e André Santos voltou para o meio-campo, com João Paulo na lateral.

Assim, o Flamengo se protegeu defensivamente e passou a segurar mais a bola no meio-campo. No Brasileirão, disputou nove pontos, ganhou sete, e só não teve maior posse de bola contra o Coritiba - até por ter feito 2 a 0 logo no começo do segundo tempo. Contra o Náutico, teve 54%, diante do Criciúma, 55% e com o Coxa, 47%


O mérito da evolução evidente Jayme compartilha com o grupo. Revelando ser simples também no contato com os jogadores, o treinador diz que joga limpo e tenta colocar cada um na posição em que fica mais à vontade. Desta maneira, ele acredita que o Flamengo tem evoluído gradativamente.

Então, aliviado e confiante, o Flamengo do simples Jayme retorna ao Rio de Janeiro na manhã de quinta-feira e encara o Vasco, domingo, em Brasília, pela 26ª rodada do Brasileirão. Com 33 pontos, a equipe ocupa a 11ª colocação.

0 comentários:

Postar um comentário