Em Monte Alegre: Menina de 10 anos foge de casa e relata a avó estupros cometidos pelo pai; suspeito está preso.

Criança procurou ajuda na casa da avó, na comunidade do Limão, em Monte Alegre. Pai nega o crime. Menina chegou a relatar como os abusos aconteciam.
Uma menina de 10 anos fugiu de casa nesta quinta-feira (15) em Monte Alegre, no oeste do Pará, e conseguiu com a ajuda da avó denunciar à polícia o pai, suspeito de abusá-la sexualmente. De acordo com o delegado de Polícia Civil, Almir Alves, o fato aconteceu durante a madrugada na comunidade do Limão, zona rural do município.
Segundo Almir Alves, a menina saiu de casa sem ninguém perceber e foi para a casa da avó, localizada na mesma comunidade. Ainda assustada a menina relatou à avó que o pai, um homem de 32 anos, a estuprava. Elas foram até a polícia e denunciaram o caso.
Uma guarnição da Polícia Militar seguiu para a casa da vítima e fez a prisão do suspeito. Na delegacia, ele negou que tenha praticado qualquer abuso com a filha. Porém, em depoimento, a criança relatou que era estuprada há algum tempo e chegou a contar como os crimes aconteciam.
A vítima morava com o pai, dois irmãos mais novos e a mãe, que também já prestou depoimento. O delegado informou que a menina foi encaminhada ao Hospital Municipal para exames sexológicos e depois ficará sob cuidados da avó.
Ainda de acordo com o delegado, as investigações continuarão para verificar se os irmãos da menina também foram abusados e se a mãe tinha conhecimento dos crimes. O Conselho Tutelar foi acionado para dar assistência e acompanhamento às crianças.
Conforme a polícia, o pai é ex-presidiário e teria cumprido pena por ter cometido um homicídio. O suspeito deve responder por estupro de vulnerável e aguarda que o caso seja comunicado à justiça para ser transferido para a Penitenciária Agrícola Sílvio Hall de Moura, em Santarém, quando houver vagas.
Denúncias
Almir Alves ressalta que é muito importante que a população seja parceira dos órgãos de segurança e assistência às crianças, adolescentes e pessoas vulneráveis e denunciem casos suspeitos de violência sexual. Saiba a quais órgãos recorrer:
Conselhos Tutelares: os Conselhos Tutelares foram criados para zelar pelo cumprimento dos direitos das crianças e adolescentes. A eles cabe receber a notificação e analisar a procedência de cada caso, visitando as famílias. Se for confirmado o fato, o Conselho deve levar a situação ao conhecimento do Ministério Público.
Varas da Infância e da Juventude e delegacias: em município onde não há Conselhos Tutelares, as Varas da Infância e da Juventude podem receber as denúncias. Outros órgãos que também estão preparados para ajudar são as Delegacias de Proteção à Criança e ao Adolescente e as Delegacias da Mulher.
Disque 100: no serviço do Disque Denúncia Nacional de Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes, o usuário pode denunciar violências contra crianças e adolescentes, colher informações acerca do paradeiro de crianças e adolescentes desaparecidos, tráfico de pessoas – independentemente da idade da vítima – e obter informações sobre os Conselhos Tutelares. O serviço funciona diariamente de 8h às 22h, inclusive nos finais de semana e feriados. As denúncias recebidas são analisadas e encaminhadas aos órgãos de defesa e responsabilização, conforme a competência num prazo de 24h. A identidade do denunciante é mantida em absoluto sigilo.

G1 Pará.

Comentários

Postagens mais visitadas