Pastor é preso por assediar menina de 14 anos

Pastor é preso por assediar menina de 14 anos (Foto: Mauro Ângelo/Diário do Pará)

Um pastor evangélico de 42 anos foi preso no início da tarde de ontem por trocar fotos íntimas com uma garota de apenas 14 anos. Ailton Neves Gonçalves conheceu a adolescente no templo e vinha conversando com ela pela internet há cerca de duas semanas, quando combinou de se encontrar com ela, mas, no ponto marcado, uma equipe da Unidade Integrada Pro Paz do Guamá interviu e fez a prisão.

A garota não fazia ideia do perigo que corria quando conheceu o pastor em um culto, enquanto visitava os avós em uma comunidade do interior do Estado, próximo ao município de Tucuruí, na BR-422. Lá, ele se aproximou da adolescente e pediu seu número de telefone. Ao chegar a Belém, começaram a trocar mensagens. Ele puxava assunto e depois começou a falar para ela mandar fotos das partes íntimas.

“Ele se diz ‘profeta’ e falava para ela que ele sonhava que ela ia morrer ou ficar aleijada caso ela não mandasse as fotos”, contou a mãe, que preferiu não se identificar. Ela começou a suspeitar que tinha algo errado quando percebeu que a filha passava muito tempo no celular depois que dizia que ia dormir e, ao olhar as mensagens salvas em seu celular, ficou assustada com o que viu. “As coisas que vi foram horríveis. Depois disso, peguei o celular dela e comecei a conversar como se fosse ela para descobrir mais informações sobre ele”, relatou. Uma amiga da mãe, inclusive, chegou a mandar mensagens para o pastor, como se estivesse interessada nele, para ver se chegava a mais descobertas. 
Ele respondeu para ela que mora no bairro da Cremação, é casado e que tem uma filha de dois anos, o que não havia revelado à garota. Imediatamente, a mãe e o padrasto também tomaram a decisão de ir à UIPP do Guamá fazer a denúncia. Já sob orientações do delegado Daniel Castro, a garota aceitou por mensagem o convite do pastor de ir à casa dele.

Eles combinaram de se encontrar próximo ao Terminal Rodoviário de São Brás. Chegando lá, a polícia o abordou, ao passo que ele foi logo dizendo: “Não sou eu, não sou eu”, antes mesmo que os policiais pudessem fazer qualquer pergunta.

MAIS VÍTIMAS

O delegado suspeita que mais garotas tenham sido vítimas do criminoso. Aliás, ele chegou a pedir que a adolescente mandasse fotos e telefone de primas e amigas dela da mesma idade. Ailton segue à disposição da Justiça e vai responder por armazenar conteúdo pornográfico infantil. “Vamos analisar agora o celular dele e investigar a possibilidade de ele ter agido contra outras adolescentes e ter cometido outros crimes”, informou o delegado Castro.

PEDOFILIA

O Artigo 240 do Estatuto da Criança e do Adolescente informa que é crime “produzir, reproduzir, dirigir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente”. A pena prevista é de quatro a oito anos de prisão, além de multa. O artigo diz ainda que “incorre nas mesmas penas quem agencia, facilita, recruta, coage ou de qualquer modo intermedeia a participação de criança ou adolescente nas cenas referidas no caput deste artigo, ou ainda quem com esses contracena”.

(Alice Martins Morais/Diário do Pará)

Comentários